Blog do Julio Falcão

Agosto 08 2009
Ação do MPF aponta "quadrilha criminosa" dentro do governo gaúcho

OAB liberou nesta madrugada 40 páginas das 1.238 da ação civil pública que não estão protegidas sob sigilo

Marciele Brum marciele.brum@zerohora.com.br

Após passar a madrugada examinando a ação civil pública por improbidade administrativa do Ministério Público Federal (MPF), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Estado liberou 40 páginas das 1.238 que não estão protegidas sob sigilo por volta das 3h30min deste sábado.

Segundo o documento, os nove réus apontados como envolvidos no esquema de desvio de R$ 44 milhões do Detran integravam uma "verdadeira quadrilha criminosa". Entre os suspeitos, estão a governadora Yeda Crusius. Confira trecho do documento que mostra o esquema no Departamento Estadual de Trânsito (Detran):

"Dentro do pacote de contratação já era apresentada a subcontratação dos serviços a empresas que faziam parte da estrutura criminosa. Obtendo altos recursos por meio dessas atividades, de diversas formas (seja como entrega direta, seja por meio da utilização de empresas de 'fachada' constituídas de 'laranjas', seja mediante outras vantagens indiretas), os lobistas e prestamistas entregavam parte dos recursos financeiros escoados do Erário aos gestores públicos responsáveis pela contratação e outras personalidades políticas com forte domínio e influência na continuidade do esquema fraudulento, especificamente, os ora demandados (governadora do Estado, conselheiro-presidente do Tribunal de Contas do Estado, deputado federal "padrinho político" do diretor-presidente do Detran)".

No texto, é justificado o pedido de afastamento do cargo de quem é agente público em razão da suposta coação, intimidação e destruição de provas. A seguir, leia outro trecho da ação:

"A reforçar ainda a necessidade de afastamento dos réus dos cargos públicos está o depoimento de Sérgio Luiz Buchmann, então presidente do Detran, prestado em 17 de julho de 2009, que narra não somente os esquemas fraudulentos perpetrados na referida autarquia, mas, e sobretudo, atos de intimidação e coação, demonstrando a necessidade efetiva do referido afastamento de forma a impedir a repetição de tais atos durante o curso desta ação".

Na quarta-feira, o MPF anunciou a ação ajuizada na 3ª Vara Federal de Santa Maria contra a governadora Yeda Crusius, o deputado federal José Otávio Germano, o presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), João Luiz Vargas, os deputado estaduais Fernando Záchia (PMDB) e Frederico Antunes (PP), o ex-secretário-geral de governo Delson Martini, a assessora da governadora Walna Meneses, o ex-tesoureiro da campanha de Yeda em 2006, Rubens Bordini, e Carlos Crusius, ex-marido de Yeda.
Fonte: Zero Hora

.
publicado por Julio Falcão às 10:07
Tags: ,

mais sobre mim
Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9


29

31


pesquisar